De|Generadas é um festival de poéticas feministas realizado desde 2015 na unidade
Santana do Sesc São Paulo. Foi inicialmente concebido, curado e produzido por mim e minha colega Ana Dias de Andrade, ambas integrantes da equipe de programação da unidade (até 2017) e artistas com pesquisa e produção relacionados à performance e políticas de gênero. Atualmente, o De|Generadas (Degê) está em sua terceira edição: em 2015 e 2016 todas as atividades estiveram concentradas no mês de março e a partir de 2017 tornou-se um programa mais expandido da unidade, ocorrendo entre março e novembro.

O que começou como uma tentativa de “resposta” a um texto publicado na internet - no qual a autora afirmava que o feminismo estaria obsoleto - se tornou uma oportunidade para viabilizar discussões interessantes e urgentes em torno das questões feministas para pessoas
ainda “não iniciadas”, de forma aprofundada e transversal, a partir do mapeamento da recente
produção cultural e artística local ligada aos temas de gênero, raça, identidade e sexualidade.

Ao longo desses três anos de existência, o projeto já reuniu mais de 250 mulheres entre artistas da performance, música, dança, literatura e teatro, pesquisadoras, coletivas, cineastas, produtoras, filósofas, educadoras e empreendedoras, e um público de mais de dez mil pessoas, em sua quase totalidade mulheres, estimulando um verdadeiro circuito feminista e provando sua importância não apenas como fomentador do debate social, mas também como viabilizador de
projetos que não encontrariam respaldo em outras instituições privadas de grande porte.

A programação é composta de, basicamente, dois vieses: um de desenvolvimento discursivo-reflexivo (palestras, debates, cursos e oficinas) e outro artístico, no qual eu estive mais diretamente envolvida na curadoria e produção, e onde a linguagem da performance se mostrou a mais potente para suscitar debates a partir das experiências estéticas propostas.



De|Generadas is a festival of feminist poetics held since 2015 in the unit Santana of Sesc São Paulo. It was initially conceived, curated and produced by me and my colleague Ana Dias de Andrade, both members of the unit's programming team (until 2017) and artists with research and production related to performance and gender policies. Currently, De|Generadas (Degê) is in its third edition: in 2015 and 2016 all activities were concentrated in March and from 2017 onwards became a more expanded program of the unit, occurring between March and November.

What began as an attempt to "answer" a text posted online - in which the author claimed that feminism would be obsolete - became an opportunity to make interesting and urgent discussions around feminist issues for people still "uninitiated", in a deep and transversal way, mapping the recent local cultural and artistic production linked to the themes of gender, race, identity and sexuality.

Throughout its three years of existence, the project has brought together more than 250 women among performance artist, musicians, dancers, literatature and theater artists, researchers, collectives, filmmakers, producers, philosophers, educators and entrepreneurs, and a public of more than ten thousand people, almost all women, stimulating a true feminist circuit and proving its importance not only as developer of the social debate, but also as sponsor of projects that would not find support in other large private institutions.

The programming is composed of basically two biases: one of discursive-reflective development (lectures, debates, courses and workshops) and another artistic one, in which I was most directly involved in curation and production, and where the language of performance was shown the most powerful one to stimulate debates based on the aesthetic experiences proposed.


Programação de 2017 | Selected 2017's programming